sexta-feira, novembro 12, 2010

O Segredo: Um livro segregador e alienante que retrata a cultura de consumo


O livro O Segredo do autor Ronda Byrne demonstra o que é a lei da atração e que, devido a ela, semelhantes se atraem e o ser humano se torna exatamente aquilo que pensa que é, ou seja, ou que você visualiza em sua mente é o que você é.

A linguagem do livro é permeada de clichês e recheada de mensagens subliminares e impactantes, figura de linguagem muito utilizada na linguagem publicitária com intuito de persuadir e convencer o leitor a comprar algo, ou a realizar algo. Os verbos neste tipo de texto, em sua maioria, apresentam-se no modo imperativo: Vá! Faça! Seja! Ou as frases apresentam uma linguagem gasta carregada de um otimismo alienante. Temos como exemplo frases como: Você é o ímã mais poderoso do Universo! Você é o que você pensa! A inserção desse tipo de literatura – auto-ajuda – numa estrutura de produção industrializada pode ser considera alienante porque não permite ao leitor a intelecção com a obra, as frases prontas já pensam pelo leitor, visto que a linguagem desse tipo de obra é de fácil entendimento, e é principalmente e realizada para um não leitor (como se fosse a um produto em escala industrial), basta observar como cada capítulo apresenta um resumo com suas frases feitas e impactantes que deixa o leitor eufórico após a leitura, e também porque diz exatamente o que ele quer ouvir: mensagens otimistas e impactantes. Esse tipo de literatura passa a ser um produto da indústria cultural somente para vender, descartável, perecível: como qualquer outro produto. A cultura de consumo se transformou numa das principais instâncias mundiais de definição de legitimidade dos comportamentos e dos valores. Ou seja, o "sucesso” comercial legitima a manifestação cultural, portanto é alienante.

A concepção idealista, da lei da atração apresentada acima, habitua os homens a se posicionarem passivamente em relação ao mundo que os cerca. Seguindo esta perspectiva quando a existência é abalada por situações ruins isto se deve graças aos maus pensamentos e situações boas a bons pensamentos. O problema decorrente da fé cega nesse tipo de leitura é entrar num processo de alienação enganoso que, passada a euforia, será frustrante e decepcionante, pois mudanças na vida acontecem mediante atitudes e não mediante ilusões, tornando assim, o individuo mais passivo e indiferente diante dos problemas mundo e cada vez mais alienado. 

4 comentários:

Carla Farinazzi disse...

Esse livro (e o filme) O Segredo viraram uma febre... Há os que amam e os que odeiam. Os que admiram e os que desprezam.
Você fez uma análise brilhante da coisa toda. Essas promessas de felicidade e de "tudo dar certo" baseado em pensamentos positivos a mim parece uma farsa.
Vou ficar sentada na minha cadeira o dia inteiro tendo pensamentos positivos, quem sabe alguém paga minhas contas... Nada.
O querer tem que ser acompanhado da firme vontade de realizar e também do trabalho neste sentido. Pra mim, nada veio fácil nessa vida. Se eu não fizer acontecer, não acontece.
Então não acredito em nada disso que o livro prega.
Tudo que acontece na nossa vida é fruto das nossas ações ou omissões.
Penso assim.
Adorei sua análise,

Beijos

Carla

Rodolphismo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodolphismo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodolphismo disse...

Sempre você está certa!
O que nós somos, o que nós fazemos, clichê sermos o que pensamos; quanto pensamento irracionais temos; porém agimos sempre pela nossa razão, pela nossa educação, conivcção nem sempre pelo bem pelo mal, mas agimos, somos os nossos atos, o que nós fazemos, somos o que somos, não o que pensamos, livros como esse é tão vago como a frase: "penso logo, logo existo". Não é o fato existencial em sí, que demonstra a existencia verdadeira, porém as consequencias; se não o que valeria ser nós mesmos, e buscar a verdade através de pensamento sem produzir nada?