terça-feira, fevereiro 08, 2011

Algumas formas de Saudade


Nota: A palavra saudade, segundo o dicionário Houaiss,  vem do latim "solitate, solitatis" (solidão), na forma arcaica de "soedade, soidade e suidade", e durante os anos e em seu processo de transformação – como todo vocábulo -  também teve influência das palavras "saúde" e "saudar". E significa um sentimento nostálgico ligado à memória de alguém ou algo ausente, sentir falta de...Algo realmente sem complemento...
Reza a lenda linguística que a palavra só existe na língua portuguesa. Todavia, de qualquer forma, o sentimento é universal. Voilá.

Meu irmão anda obcecado por Camus. Eu também gosto muito do escritor, talvez a leitura do Estrangeiro seja uma das mais encantadoras e reveladoras da minha vida. Nunca o li em francês, visto que meu francês não é tão bom assim, sou uma debutant. Meu irmão o leu em francês na sua segunda leitura da obra. E agora tudo para ele se verbaliza no escritor... Bonito, poético, triste e uma maneira de vivenciar a saudade sem sofrimento e aceitar a condição humana sem grandes dramas. Mas como eu – sendo tão superlativa- conseguiria aceitar tal condição da minha humanidade com facilidade? Ai...Já está doendo. A saudade sempre me pega. Em alguns momentos prefiro a palavra nostalgia... Talvez porque ela me remeta a lembranças boas e saudade sempre me leva a algo que faz falta e dói, dói e demora para passar. Talvez até mais do que martelar o dedo por engano, pois a dor demora tanto para passar e ficam as marcas: o dedo até amassa um pouco, assim como o coração quando se sente saudade.

Todo este discurso nostálgico porque tenho vivenciado no último mês alguns fatos que me deixaram sensibilizada com a palavra saudade e com todas suas formas e, principalmente, da maneira que lidamos com ela.

Há 2 semanas recebi um e-mail de um ex-namorado, o qual foi muito importante para mim na época da universidade. Ele relatava alguns fatos que vivenciamos juntos, chorei ao ler o texto. Engraçado isso, mas havia tanta vida em suas palavras. Era como se eu  tivesse visualizado os “flashes” da minha vida. O meu ex-namorado me denominava de “menina do ônibus 304”  – linha de ônibus (caminho alternativo) que ia do centro de Londrina/PR para a Universidade Estadual de Londrina.  Na verdade, ele começou a me paquerar no ônibus indo para faculdade. Eu sempre com um livro do Vinicius de Morais, talvez isso tenha sido a atração inicial. Ele me revelou também que a influência da poesia em sua vida, veio de mim. Achei tão bonito e fiquei tão feliz em perceber que acima de qualquer coisa;  tudo valeu a pena e que, de certa forma, deixei minha marca nele. E ele em mim... Uma forma de saudade que aceita a condição atual. O mundo gira e não espera a gente descer, aceitar isso, talvez seja o inicio do entendimento a leitura do Camus. Sempre sobrevivemos, por mais triste que seja o fato/fardo.


Domingo, meu irmão deixou sua cachorrinha – Lisa – em casa, porque ele mora em SP, tem uma vida cosmopolita e corrida. E o passeador da cachorrinha mudou-se para o nordeste. Ou seja, a Lisa tava passando muito tempo sozinha em SP e ficando um pouco deprimida.  Portanto, ele decidiu deixar a “mocinha” passar uma temporada em Marília. O que mais me sensibiliza nisso tudo é a forma com que ela o espera: ansiosamente. Ela se senta defronte à porta da sala e fica esperando-o, mas como ele não chega, ela fica alguns minutos lá e depois sai para brincar/dormir/comer, contudo em determinados horários ela volta. O Ri também sente falta dela, mesmo influenciado por Camus e sendo racional. Todavia o mais bonito nessa saudade é a espera da cadelinha. Que humano nos aguardaria sentadinho e com horários marcados? E olha que animais não têm noção de tempo e de sentimentos. Mas...Agora penso em Darwin e nas expressão das emoções dos homens e nos animais. Somos animais. Mas não admitimos isso. A Lisa vive suas emoções sem tentar entende-las. Ela senti falta do Ri e da sua vida em SP, mas também não compreende essa lacuna...apenas sente. Talvez poderíamos apenas sentir, sem tentar traduzir nada. Talvez, assim, a saudade cedesse lugar para nostalgia... E assim as lembranças seriam menos dolorosas e encaradas como processo natural da nossa existência.

Eu sempre sinto esta dor chamada saudade. O problema é que tenho essa consciência. E ai dói mais... A noção de falta é dilacerante ao coração e no fundo poderia ser tão mais simples, caso eu não tivesse a consciência do seu significado.  E fica a interrogação: De que eu tenho saudades? E é no plural mesmo... E também cheia de reticências e totalmente sem complemento. Na verdade, não sei de que... Sinto e desisto de compreender.

Apenas sei que tem alguma coisa, em alguns momentos, que corrói meu coração e me leva a acontecimentos passados, na verdade belisca o coração. Sinto meu coração pinçado como os beliscões que minha mãe me dava na infância, quando eu aprontava alguma coisa. A saudade belisca...

Não é pela saudade que a vida para. Continuo a viver/sentir e todas as ações verbais são continuas e finitas. Sigo andando solitariamente pela vida e chega o amanhecer e depois crepúsculo, sendo assim repetitivamente/diariamente. Mas, agora, enxergo beleza na rotina, deve ser culpa do beliscão no coração: daquilo que dominam saudade e que eu não sei traduzir. Eu  tento tirar o peso da vida com música, literatura e muito amor. Assim tudo ganha cor, a qual não precisa ser explicada. E viva Camus!


Esta canção tem a melhor definição de saudade que conheço:

“ Saudade é o revés do parto, saudade é arrumar o quarto do filho que já morreu”

12 comentários:

Anônimo disse...

Senhorita Daniela,

Não sei porque, mas escorem lágrimas dos meus olhos.
Adorei o post e sinto sua falta.
beijos, minha adorada!
Júnior

Obs: Vc é tão sensível que chega doer. Sinto os beliscões da saudade.

DANIELLE CELLI disse...

Estou com tanta saudades...
Saudades de você...
De sua voz...
De seus olhos...
De sua boca...
Seu toque, seu afago...
Estou com saudades,
De seu cheiro, seu abraço!
Estou com tanta saudades...
Saudades que dói
Saudades que agonia meu coração...
Saudades que não tem fim
Estou com saudades de você
Saudades amor...
Saudades de seu amor
De seu carinho...
Saudades, que sei, é só minha
Saudades de um amor
Que só eu senti
Só eu sonhei
Só eu amei...e amei por dois!
Estou com saudades
Mesmo lembrando que foi tudo uma mentira...
Estou com saudades de você
Se o tempo voltasse
Seria tudo igual...
Mesmo sabendo que não foi real
Mesmo sabendo que foi uma doce mentira...ou talvez não!
Mesmo sabendo que suas juras de amor...
Nada foi real, tudo mentira.
Nada foi verdade sua, mesmo assim...
Se o tempo voltasse amor
Viveria tudo de novo com você!
Estou com saudades, ela está doendo.
Está apertando meu coração...
Estou em prantos a pensar em você
Estou sofrendo demais
Essa saudades dói...
Queria só por um minuto
Escutar tua voz, como no início.
Tão terna, tão linda.
Tão doce...
Minha alma se elevava
Meu coração vivia, tinha você!
Hoje minha alma vaga
A te procurar, e não encontrar...
Meu coração sangra de dor
Estou com saudades amor...
Saudades de ser amada
Mesmo enganada...
Estou com saudades amor
Estou com tantas saudades de você!
Saudades de quando fui feliz, saudades da pessoa que fui quando via você, olhando pra mim.
É saudades dói, e muito...

Danielli Celli

DANIELLE CELLI disse...

obs: E a minha saudade tem 07 anos 05 meses e 02 dias, conto todos os dias!!!

Anônimo disse...

Isto de "beliscões no coração" dá uma coisa ... semelhante ao que nos dá quando alguém raspa uma colher de metal no fundo da panela.
Interessante isto de "deixar marcas" nas pessoas, esta aparente necessidade que as pessoas demonstrar ter em se tornar inesquecíveis na vida das outras.
E, recentemente, eu andei comentando, nem me lembro com quem, que esta história de ser "inesquecível" é coisa pra quem já foi, já era... virou fantasma (e muitas vezes nem sabe e nem quer saber...) decadente na memória dos outros.
Cada relação, cada pessoa, deixa algo com a gente. É verdade. Só não tenho a necessidade de ficar ligando o que recebi a quem me deu o tempo todo, a vida toda... (e, com certeza, me irrita estar ao lado de alguém que faz isto de forma a lembrar todos os homens (ou alguns "especiais") que passaram por sua vida... )
Interessantes as analogias que John Grogan (Marley e eu) faz dos cachorros em vários momentos de seu beste seller. Em uma delas, mostra a capacidade dos cães de fazer alguém se sentir a pessoa mais especial do mundo - e é nisto que eu acredito e me empenho: em fazer a mulher que está ao meu lado se sentir a mais especial do mundo. E é só dela que tenho saudades. Não tenho fantasmas, não leio, nem recebo (mais) cartas ou emails de ex... :)
Mas na esfera dos amigos que passaram pelas nossas vidas, confesso que penso diferente a saudade. Mas amigo(a) é diferente de mulher, né... :) Em primeiro lugar, por que aceito bem o fato de que estes vêm e vão nas nossas vidas, de acordo com seus próprios interesses, seus próprios rumos e caminhos.
(escrevi demais, né... desculpe.) :)

E.

DANIELLE CELLI disse...

Querido Anônimo...

Me passe a receita para aceitar as idas e vindas das pessoas, pois até hoje eu não achei a tal receita rsrs!!!

Bjks

Dani

Rony disse...

Dani, amor!!!!
Que post lindo! Como eu gosto de vc!
Bj

meuparedro disse...

Saudades are;

the presence of the absence.

E também tudo isso, e tudo o que criamos quando sentimos, qdo é importante.

Sem fim.

Beijo, Dani.

Anônimo disse...

Ok, Dani C.,

Você venceu. :)

(a verdade é que eu ainda estou aprendendo... )

Bjs. :D

E.

WiLL disse...

saudade é o q eu sinto qdo fico mto tempo sem ver a Daniela. Uma necessidade de ver aquele sorriso, de presenciar aquela gargalhada, nossos olhares confessionais...
Dani, vc se supera, escrevendo cada vez melhor, tocando mais o coração deste pobre amigo. vc é um anjo.
te adoro montão.
bjokas

DANIELLE CELLI disse...

E.

kkkkk eu sabia, bem se eu descobrir antes te conto, pode ser rrsrs, bjks querido...

DANI EU AMO ESSA MINHA COMPANHEIRA DE S2...

BJKS PRA TI DA DANI (tbm rsrs)

Rita disse...

Viva camus!
O livro é um espanto, mas devia fazer um esforço para ler no original. Não tem comparação.
Eu o li em francês faz ja muito tempo e nem sequer dominava particularmente bem o idioma mas tirei imenso prazer da leitura. A tradução, bem a tradução normalmente é traição.

WiLL disse...

Cara Rita:
Dizer que a 'tradução normalmente é traição' significa:
1-Que você pressupõe que todas as pessoas do planeta falem a mesma língua;
2-Que todo tradutor faz mal seu trabalho;
3-Que o Brasil apenas vende livros escritos originalmente em português;
4-Que você não sabe que mais de 70% das obras vendidas no Brasil são traduzidas;
5-Que você não considera a tradução um ofício intelectual;
6-Que você não sabe das dificuldades com as quais lida um tradutor durante seu trabalho;
7-Que você é daquelas pessoas que veem filmes legendados achando que a legenda está ruim, mas a verdade é que você sequer sabe como se faz uma legenda (só a título de curiosidade, não é o mesmo que traduzir um livro de literatura, há um tempo máximo que a legenda pode aparecer, por isso o tradutor deve ser bom e isso inclui ser criativo e perspicaz).
Eu poderia continuar citando tantas mais características de um tradutor ou tantas mais ignorâncias que (des)norteiam seu discurso, mas isso tomaria mto tempo. Dá um google que você vai entender o que digo.
abraços