quarta-feira, setembro 15, 2010

(DES) e CONTRUÇÕES da menina com laço de fita

Queria escrever um ensaio ou uma canção. Sempre estive dividida entre ser musicista ou escritora. A literatura e a melodia sempre foram o espelho da minha ambigüidade: uma certa sofisticação ou um oficio solitário? Para definir isso seria necessário me reconstruir , não?

Talvez durante toda minha vida não tenho construído meus valores e por isso essa insegurança danada que me machuca hoje. Talvez por isso, agora, minha alma tem o peso da luz e da música, e principalmente, o peso  da dor da palavra nunca dita, contudo inserida em todas as entrelinhas. O santo me revela entrelinhas e todas as minhas possibilidades. Contudo sou infantil e covarde demais para ler todos os recados. Afinal, pragmática lingüística deixo para o Will, pois para mim é um peso entender o não dito, muitas vezes tão explicito, bastando coragem para enfrentá-lo. Porém para me (des) construir tô precisando egoisticamente de toda coragem que me (re)veste.

Talvez seja um peso carregar a Daniela com tanta vida e uma bagagem cheia de sonhos. E o Santo Antonio ainda longe. A devoção tá aqui e ninguém a compreende, nem a Daniela Paula( talvez ela necessite de outro roteiro para protagonizar) . A Daniela é (des) construída do peso da saudade e de toda lembrança do que ela foi ou será. A Daniela fita o infinito, mas ele também pesa, porque sente ausência do que ela ainda não foi. E agora a lágrima cai dos meus olhos com o peso de que não chorei, porque ela revela minha solidão para os outros e toda minha impulsão adolescente. Agora revelada ela tá...Um filme em preto e branco e toda possibilidades de outros tons para começar a construAÇÃO.

Nota linguistica: Misturo eu e ela no texto, porque somos assim...Ela: a Daniela e eu.

Nota sentimental e todas as declarações do mundo :

Estou escrevendo um conto sobre o amor. Logo o publicarei neste espaço. Ele falará de mãos dadas, passeios, caminhadas, beijos públicos, declarações de amor em praças públicas, prosas e toda a saudade que fica...Pois os dias demoram para passar longe dele. As flores começam a querer nascer, primavera se aproximando, mas sem ele o inverno ainda tá perpetuado...e nem as folhas amareladas me trazem alegria. Queria contar para ele toda minha imaginação e fazê-lo sorrir...Será q conseguirei quantificar para ele todas as batidas do meu coração quando o vejo. Será?

TRILHA SONORADO POST - ENQUANTO ELA(E) NÃO CHEGAR - BARÃO VERMELHO: http://www.youtube.com/watch?v=TtW0wNSsIIY&feature=related

5 comentários:

Moabe disse...

Descontruções da menina com o laço de fita...emotivo, profundo, poético e melancólico como uma canção, escrita por quem usa o coração para transformar em melodia o que tá oculto na alma, ou na vida. É sempre bom desconstruir, começar de novo e proseguir....melhor é viver, sem ter medo de ser feliz e com a coragem para recomeçar sempre, afinal, o que não podemos é deixar de tentar. É você menina, com laço de fita na cabeça, ambígua e diáletica, deste jeito mesmo, construida ou desconstruída, continuará sendo o que você sempre foi, adorável. Porque a alma, essa a gente não descontroí nunca.

WiLL disse...

Quem é a Daniela?
O que a faz ser quem ela é?
Tem mesmo que definir, delimitar, limitar? Tem mesmo que ser isto ou aquilo?
Não ler todos os recados é ser infantil e covarde? Acho que a covardia não está em não dizer o que quer, está em não se permitir sequer querer...
Não é tão ruim não conseguir ler nas entrelinhas de vez em quando... É algo inocente, não?!
"E o Santo Antonio ainda longe. A devoção tá aqui e ninguém a compreende, nem a Daniela Paula". Você quer se casar? Reza escondida pedindo o casamento? Humm... Não conto pra ninguém, então...
Saiba: também sou ambíguo, também suspendo meus desejos, sentimentos. Mas no fundo eles estão aqui!
te amo
bjokas

Anônimo disse...

Q lindo, Daninha!
Vc reconstruida ou não é apaixonante. Adoro seu jeito infantil.
Vc tá sumida isso indica novo amor ou algo assim? Já to com ciumes.(rs)
Júnior

pedalante disse...

Se deseja se casar, tem q virar o Santo de cabeça para baixo, quiçá afogar em um copo com água!! ( diz a crendice popular)

"A Daniela fita o infinito" revelador/poético ...essa mulher é paixão/fogo e vulcão/ e é com ela q vou...dançar!!

Anônimo disse...

Oi,Daniela

Escreves com leveza espôntaneidade,construíndo ou desconstruíndo,não importa ..somos todos seres de contradição quem não é ?estamos em constante evolução ,viver é isso menina poetisa com laço de fita!

adorei !
beijos no coração!

@rosanacristina