quarta-feira, agosto 11, 2010

Uma menina com laço de fita na cabeça


Sabe, às vezes, penso q não sinto sua falta e outras q meu corpo e meu coração estão dilacerados de saudade. Não se esquecendo de toda minha dialética. Na verdade, sempre fui confusa (perdida) e ambígua com meus sentimentos. Sempre fui uma vírgula em lugar inadequado, porque muitas vezes sinto necessidade de pausa, mesmo sabendo q elas não são necessárias. É como se esse tempo me desse ar.

Apesar de confusa, nunca tive medo de sentir e vivenciar meus sentimentos ao extremo. Porém, hoje ando sentindo medo dessa Daniela intensa e porra louca. Afinal, não dá para ser porra louca a vida toda, mesmo isso me agradando, não? Então to nessa mudança ... E essa nova Daniela é covarde. Tem medo de sentir e de si mesma. E o pior medo de tomar decisões. Isso me frustra, pois a outra tinha mais vida. E agora? Novamente a dialética.

A única coisa q sei é que hoje em especial acordei querendo dizer sim ao seu corpo e a sua alma e com uma necessidade literária e artística enorme, que estão me consumindo. Uma necessidade de escrever, pintar, chorar e dizer qualquer coisa que console minha alma e me remeta ao teu sorriso: doce. Queria te prender nessas entrelinhas, em cada pontuação do meu texto, ou simplesmente pintá-lo de amarelo numa tela. Vc minha tela mais bela.

Na literatura, na arte, no ar, no sexo, na alma e no meu coração, vc é dois pares de paralelas e uma vastidão de sentir pelos olhos oblíquos. Não há sentimento que dê conta desta minha insensatez contida, calada. Mas, quem se importa? O importante é que você é a melhor poesia para mocinha marxista, de coração bem vermelho, olhos expressivos e arregalados, voz contida( perdendo a capacidade de verbalizar), compulsiva por café, vinho, chocolate, boa conversa, beijos e de laço de fita no cabelo( p esconder o quanto meu cabelo me odeia. Rs).

Nota mental: Ás vezes um café é só um café. Mas, a ambigüidade fala por si...Adoro Magritte. ( usei um quadro famoso dele neste post para me representar)

A TRILHA SONORA DO DIA FICA POR CONTA DO MEU AMOR: CHICO BUARQUE - MEDO DE AMAR

6 comentários:

jamesp. disse...

Daniela,parabéns pelo blog.Já estou seguindo.
Um beijo.

Anônimo disse...

Adoro a fita no cabelo. Ela é sentimental como vc e até um tanto marxista, afinal vc tem uma fita vermelha. Eu já vi.
Vc é maravilhosa, inteligente e linda. beijos minha linda.
Júnior

WiLL disse...

Daniela da fita no cabelo:
mulher intesa e porra louca, nas suas próprias palavras, te admiro tanto, admiro sua poesia, sua capacidade de escrever bem, lindamente bem.
Seu expressar sentimentos que querem explodir. Depois de nos contar tanta coisa ainda diz que tem medo de sentir e de si mesma? Oras, acho que disse isso só pra causar algum efeito retórico-literário, porque se o que vc tem feito não é sentir e se expressar, é o quê? Todos nós titubeamos ao ter q tomar decisões, ainda mais aquelas que nos são tão grandemente importantes. Te amo. bjos

Tiago leal disse...

Depois de tantos comentários positivos, só posso recomendar que continue a sentir com a ponta dos dedos. Escrever é quase se olhar no espelho, mesmo a parte do texto que a gente ficciona é de verdade.

Moabe disse...

É tão importante não ter medo de sentir e vivenciar nossos sentimentos ao extremo. A vida deveria ser sempre assim, essa porra louca que nos faz ir ao extremo. As vezes, ou quase sempre, é ótimo perder a tal razão que nos deixam tão normais, certinhos e sem graça.Sei não, mas por mim, seria essa porra louca sempre, afinal somos mais feliz assim, a vida tem mais sentido.

Vera disse...

Dany. Adorei teu Blog e este post.
Continuas igual a ti propria :). É isso que te define como Daniela Girassol.

Beijo da Africa Ocidental
Vera