quarta-feira, junho 02, 2010

Uma xícara de chá, um alpino, Darwin, o cobertor e você.

   Nosso silêncio alimenta minha angústia, único sentimento que não sente fome em mim nesta noite fria e solitária. Minha companhia noturna: uma xícara de chá, um alpino, Darwin, cobertor e você. 
 MONET - Só ele para conseguir retratar o vento...
    É impressão minha ou você é o ator principal de todos esses filmes a que tenho assistido? Ah! Parei de ler livros que falem sobre homens. Sem conhecê-lo, acabo encaixando-o em todas as histórias. Tudo por causa da promessa do beijo inacabado... Tudo pela promessa do amor, do sexo e da vida. Promessa que não houve. 

    Pouco mais sei a seu respeito além dos seus olhos arregalados, da sua cara séria, das suas mãos que não param de se mexer, da sua ansiedade e da sua insegurança escondida por trás de uma imagem durona e segura...Contudo, longe de você me sinto em terra estrangeira. Engraçado isso...mas é sincero. Não estou conseguindo ter sono ultimamente, você não sai da minha cabeça. Ontem, também quase não dormi, e quando adormeci sonhei contigo, inclusive na hora de acordar, pois nessa hora o sono é melhor, tão bom e gostosinho e você tava lá. Acordei assustada e com a esperança de não ficar louca. Quanta tolice. Louca já sou ao ter esperança neste mundo tão caótico e hipócrita. E você aparece sempre como um lápis amarelo para me redesenhar. E tentar me resgatar, mas é difícil... A ponta do lápis sempre quebra na melhor parte do desenho, e o apontador está cego. O que fazer? Saber mais de você? O que te faz chorar, amar, sentir, sorrir, acordar, pedir, esperar? Fale comigo... Fale de você! 

    Seu sorriso só me faz querer saber mais de você. Toda hora. Na verdade, seu sorriso está em todos os cantos da minha cabeça. Onde quer que eu vá, onde quer que eu olhe vejo sua boca, seus dentes...Sua carinha séria que desmonta de rir das minhas bobagens. Até pensei em pintar um quadro para esquecer sua risada, mas até a tinta tem a cor do seu sorriso. Vou ao Darwin, pois só ele me salva de você nesta noite fria. Mas, antes vou continuar com minha breguice dos anos 80. 

TRILHA SONORA DO DIA:  RITCHIE - SOPRA O VENTO http://www.youtube.com/watch?v=k5Pf507r3xk&feature=related

Obs: Já que estou numa fase anos 80. Quero postar também um vídeo da Patrícia Marx, pois sempre disseram que eu era parecida com ela na adolescência. hahaha Adoro! Principalmente, por causa do cabelo...Antes, o meu era como o dela. Agora...ele me odeia. rs Será que pareço com ela mesmo? rsss
TRILHA SECUNDÁRIA DO DIA: PATRÍCIA MARX - DESTINO:

3 comentários:

alex disse...

Adorei! Voce e encantadora linda!
Adoro ler voce, e conversar com voce

WiLL disse...

Petite Dani:

"E você aparece sempre como um lápis amarelo para me redesenhar. E tentar me resgatar, mas é difícil..."

Por que essa necessidade de ser redesenhada, resgatada? E por que tem que ser com um lápis e não com uma caneta?
O lápis a borracha apaga e pode nem deixar marca. Já com a caneta, o corretivo deixa uma meleca! Por que você não quer deixar uma marca de quem foi antes de ser redesenhada? Por que ser um esboço que pode ser refeito? Por que não ser você mesma e assumir as marcas que a vida pode deixar em ti?
Assuma seu amor, assuma sua posição no mundo e não tenha medo, ou vergonha - ou seja lá o que for que te impeça - de agir de acordo com sua própria vontade. Não espere uma borracha apagar seus sonhos, sua identidade. Ao se sujeitar ao lápis alheio, você se esquece de ser quem quer ser, você joga no outro a responsabilidade da sua vida.
O caminho mais fácil, mais cômodo nem sempre é o melhor. Pense no trabalho que você pode ter no futuro quando quiser refazer alguns momento da vida e perceber que o tempo não volta. O tempo não para, e se você for desenhada a lápis, corre o risco de ser apagada...

Je t'ame

Anônimo disse...

Oi Patrícia Marx.
Pior que parece mesmo.
LInda! Adoro vc!
bjo
Júnior.