terça-feira, dezembro 07, 2010

Pelo direito de ser ateu e pelo respeito que todos merecem...

Gostaria de parabenizar ao MPF por esta ação contra a Band. Afinal todos os cidadãos têm direito previsto pela carta magna de demonstrar sua fé religiosa ou não e de ser respeitado por sua escolha religiosa. Isso sim é respeito à cidadania. Não esquecendo que somos um Estado Laico, portanto comentários preconceitos como o do apresentador Datena em relação aos ateus é no mínimo lamentável para não adjetivar o apresentador mais negativamente, porque palavras não me faltam para isso. Numa democracia todos deveriam ter direito de expressão, mas o problema é que só uma minoria tem esse direito. A mídia assim como a religião são os maiores instrumentos de disseminação de preconceitos/dominação do mundo. É preciso reflexão... e muita cautela para não cairmos num processo de alienação. Qualquer afirmação radical pode levar ao fundamentalismo religioso ou não. E parafraseando o Pessoa – Respeitar é preciso. 

Recebi a notícia da @kekapcdob. Obrigada, amiga! Adoro você! Ah! O procurador Jeferson é da minha Marília/SP. Segue a notícia: Preconceito contra ateus leva MPF a entrar com ação contra Band - ( clique e leia a notícia)

Daniela saindo do armário

Outro dia uma pessoa me disse:
- Você acredita em Deus? 
Eu arregalei meus olhos “pequenos” , cruzei as mãos, avermelhou a face e todo o corpo. Entrei em catarse – reiterando que a minha foi sob a ótica da psicologia - por alguns segundos. Respirei fundo e disse:
-Não. E pensei que nunca um não fora tão libertador. Tive vontade de me beijar pela minha coragem, pois sair do armário não é fácil. Neste momento recordava-me do meu ex-terapeuta que dizia para eu ser circunspecta em relação a este assunto, pois as pessoas poderiam me marginalizar e me excluir dos seus meios sociais. Mas a questão é...hoje não me importo de ser excluída de nada. Cansei de sorrisos falsos e apertos de mãos sem força. Sorri.
A pessoa não esperava essa resposta e disse:
- Nossa! Logo que você que é tão boa, legal e atenciosa com todos. Como pode ser atéia?

É nesse último enunciado que está o problema; é ele que me incomoda tanto. Pois qual a relação das minhas características psicológicas com a religião? Pergunto-me e não vejo relação. Isso é um pensamento alienante e limitado, pois as pessoas não podem ser julgadas/caracterizadas pela religião que praticam ou não. Confesso que no momento senti um pesar sobre o meu mundo e uma solidão de ideias e sentimentos infinitos que talvez só pudesse ser consolado com uma conversa com meu irmão @celsobueno sobre matemática/filosofia/vida.

O fato é que eu respeito todas as pessoas religiosas (cristãos, afros, judeus, islâmicos entre outras), que têm espiritualidade que exercitam sua fé, contudo não me sinto respeita por ser atéia – mesmo sendo aproximadamente 1% da população mundial eu gostaria de ser respeitada. Percebo que a intolerância com os ateus é violenta, nos tratam como senão respeitássemos à vida. E isso é uma mentira: valorizamos a vida e cada pessoa como é.

Ah! Também percebo esse mesmo ódio com as religiões “afros”, que são desmoralizadas por seus rituais, seja sacrifício com animais ou outros ritos, por serem consideradas tribais. Eu, particularmente, sou contra a qualquer maltrato a animais, já tentei ser vegetariana por amar a vida, mas não consegui... Hoje convivo melhor com o drama e me aceitando na condição de onívora/humana. Porém percebo que a perseguição as religiões afros não é somente pela proteção aos animais e sim por outros paradigmas ideológicos, os quais dariam outro texto. Portanto decidi não julgar essas religiões, pois cairia numa retórica, a qual eu mesma condeno: PRECONCEITUOSA/INTOLERANTE. A partir do momento que eu quero respeito, devo oferecê-lo em troca.

Não é porque sou atéia que sou imoral, sem caráter e sem merecimento de uma vida boa. O problema é que o apresentador da notícia acima reafirmou essa falsa idéia, massificando-a. Isso é crime, pois feriu meu direito religioso e eu me senti ofendida. Por isso parabenizo mais uma vez ao MPF.

Para mim a religião é um instrumento de controle dos nossos corpos e mentes e atribuo a isso o conceito moral da questão sexual: do controle dos nossos corpos e de suas inquietudes/ansiedades, sendo que este mesmo controle é feito para as minorias políticas, a mulher, homossexual, entre outros. Ou seja, é a moral religiosa batendo a sua porta e reafirmando as tradições familiares/conservadorismo, e o mais perverso: ela violenta nossa mente com a questão da culpa (isso tem a ver com o conceito do pecado) e até de dominação de classe e também de pensamento. Ela também provoca o comodismo na busca do conhecimento. Acreditar que um Deus criou o mundo e ponto, faz com que o individuo perca sua capacidade mais bonita, a de querer aprender/conhecer e de não se contentar com respostas evasivas. É a curiosidade que marca os grandes cientistas. #ficaadica

Bom, caro Datena se os ateus não têm limites e por este motivo você vê crimes por ai. Fica minha indagação para você: Em nome de quem mais barbárie/atrocidades/mortes se cometeram no mundo? E o mais triste: tudo justificado em nome de um Deus egoíco, o qual quer sangue e aplausos.

Sinceramente me orgulho em não seguir um livro que manda apedrejar até a morte quem em tua porta tiver cometido maldade. (Deuteronônimo 17, 2 -7), a mesma também diz que quem blasfemar o nome do Senhor deve ser morto (Levitico 24, 16). E o mais terrível, a mulher adultera deve ser morta ( Levitico 20, 10) e também o homem que se deitar com outro homem terá praticado abominação também deve ser morto ( Levitico 20, 10) . Vixe! A bíblia só manda matar. O pior de todos Mateus 18, 7-9 , pois mandam as pessoas se mutilarem, as enche de culpas e o conceito de inferno é repugnante. O machismo da bíblia também explica muita coisa sobre a condição atual da mulher, vamos ler o I Coríntios 14. Não esquecendo que a escravidão é permitida no velho testamento. E agora, Sr. Datena? Por que vemos tantos crimes por ai? Quem é a maior disseminadora de preconceitos e violência? Só para constar: nós ateus somos humanistas natos. Repugnamos a violência contra qualquer pessoa e temos como principio básico o respeito, direitos humanos e a justiça social. Portanto não somos o que o senhor vomitou em pleno canal nacional de televisão, o qual é uma concessão pública e nós, ateus, também ajudamos a manter.

18 comentários:

Quarto Poder SP disse...

Pois bem .Sofri bastante com isso. Eu já fui ateu. Hoje tenho minha religião, mas é algo extremamente pessoal.
É terrível pessoas te julgarem apenas por você acreditar ou deixar de acreditar em algo. Por ter escolhido a Umbanda, o preconceito para com a religião é maior do que quando eu era ateu.
A sociedade pede uma religião, mas precisa ser uma religião que ela aceite e que seja da maioria. Lamentável.

Anônimo disse...

Tomare q vc queime no fogo do inferno. Vagabunda tem q apoiar terrorista como a Dilma mesmo,que alem de tudo é sapatona. Vcs são dois tipos de mulheres q mereciam ser apedrejadas ate a morte.
Nojento seu blog.

Anônimo disse...

Ao mané que falou isso da Daniela. Vai procurar o que fazer, otário! Muito respeito com esta garota, ok? Se eu descobrir que é você tomaremos as medidas cabíveis.

Anônimo disse...

Eu adoro o seu blog e você tem o direito de acreditar no que você quiser.
Eu me delicio com cada palavra escrita aqui. (parabéns pelo belo texto e vídeo com que você homenageou a sua mãezinha... )

Fabiana Borchio disse...

Hoje o mundo é cheio de hipócritas. Quando a pessoa é verdadeira, não precisa se esconder e nem bajular ninguém, é julgada.

Parabéns pelo texto.

Anônimo disse...

Muito bom o seu texto, mas pra tenho algumas observações a fazer:

1) "ela (a moral religiosa) violenta nossa mente com a questão da culpa" => (vou desenvolver o que entendi do seu raciocínio; se eu entendi errado, por favor me explique melhor) se não há motivo para ter culpa, é porque não existe o conceito de certo e errado, pois só se pode ter culpa por algo errado que se fez. Mas se não há certo ou errado, então não faz sentido dizer que os religiosos estão errados ao te criticar, né? Como fica isso???

2) "Ela também provoca o comodismo na busca do conhecimento" => injustiça, e das grandes. Procure por "A Igreja Católica: Construtora da Civilização" no youtube pra conhecer melhor sobre a relação entre a Igreja Católica e a Ciência.

3) "Em nome de quem mais barbárie/atrocidades/mortes se cometeram no mundo?" => ótima pergunta. Faça as contas e coloque aqui, por favor. Mas não se esqueça de incluir a Revolução Francesa, a Industrial, as guerras mundiais, etc. Você vai se surpreender com o resultado dessa conta.

4) Pegar trechos de qualquer livro (não somente a Bíblia) e jogar ao vento, sem conhecer a cultura e o pensamento da época é um erro muito comum. Pergunte a alguém (ateu, de preferência) formado em História.

Mas sua indignação contra o Datena e a Band é justíssima. E esse outro Anônimo das 2:24 PM é uma besta.

Girassol disse...

Bem, primeiramente eu odeio comentários anonimos. hahaha
Mas...é um direito de vcs, visto q optei por não moderar nada neste blog. Cada um fale o q quer...
Quanto ao último comentário.
Respondendo:

1. Acho q vc compreendeu errado, ou meu texto está um tanto prolixo. O q quis dizer é q a culpa é uma forma de violência q se origina do conceito de pecado, imposto pela religião.
Qto ao meu blog, gosto de dar guela para eu mesma me divertir com tanta babaquice...Tanto q o comentário ta ai...e não será apagado. Outra coisa: Não me senti ofendida. rs Achei hilário. Mas cada um tem direito de se expressar e aqui a participação é horizontal.

2. Já vi o documentário e acho ele totalmente em desacordo com o que venho estudando...talvez um tanto maquiado. Mas enfim...é um documentário q merece ser visto.

3. Farei o levantamento...

4.Desculpe-me, mas não tem como contextualizar um livro como a biblia q é levado ao pé da letra até hoje. Impossivel...E também isto aqui não é um artigo cientifico q necessita de citações para embasamentos teóricos, contextualização da história/politico/economico e sim um texto q fala das minhas impressões sobre o assunto com meu conhecimento de mundo. Portanto...Não vejo necessidade de aprofundamento aqui. Deixo isso p os pesquisadores. Aqui quero uma certa liberdade...Enfim...crie coragem e post seu comentário mostrando sua cara tb. Admiro pessoas que se assumem...De qualquer forma, obrigada pelas considerações. beijos a todos!

Alisson da Hora disse...

Graças a Deus, meus melhores amigos são ateus.

Alisson da Hora disse...

Ah, e quanto ao "Anônimo" nervosinho, eu também vou ao Inferno. Lá só tem gente conceituada. Ao menos a gente se permite o direito de não se arrepender lá. Melhor do que a hipocrisia de todas as religiões: é só matar, estuprar, drogar, extorquir, aceita o "Jesus" de qualquer franquia de fé e está "salvo". Desse jeito, prefiro ser um equivocado (afinal pecador já é muito demodê); ao menos estarei sendo honesto.

Aaddrriiaannoo disse...

Vi um doc no Youtube que conta a história do diabo. A bíblia destorceu completamente a imagem dele, mas , enfim,

Sou de uma família evangélica fervorosa (ultimamente nem tanto) e sou ateu desde q me entendo por gente, o que sempre gerou discussões dentro de casa. Já fui chamado de satanista... Conheço muito da bíblia por causa disso.

Vi uma reportagem também dizendo que os ateus conhecem mais a bíblia do que a maioria dos fiéis.

E não sei porque a Dani foi atacada por pedir respeito. O anônimo devia rever seus conceitos... aceitar as diferenças de opiniões.

Anônimo disse...

Estou anônimo de novo; como você mesma disse, é um direito meu... :-)
Sou meio paranóico com privacidade na internet.

1) Não achei o texto prolixo. Pelo contrário: achei bem claro, e bastante coerente, exceto nos 4 aspectos que falei. E o conceito de certo e errado não foi inventado pela Igreja. Nem o termo "pecado" foi inventado por ela. Não sou estudioso do assunto, mas li esse termo num dos livros de Platão (não lembro qual). Note que a consciência dói independente de você ter religião ou não: é algo natural. Inclusive, foi justamente essa "descoberta" que fez C.S. Lewis (aquele mesmo das Crônicas de Nárnia) "deduzir" a presença de um deus (não necessariamente o deus cristão), e posteriormente se converter ao cristianismo. Tá tudo no livro "Mero Cristianismo", dele mesmo. Se você gostar de ler, vale pela curiosidade.

2. Procure os fatos históricos pra saber o que é verdade e o que é invenção. Sei que é um conselho idiota, parece que acho você retardada (não é o caso, lógico; não perderia meu tempo escrevendo pra uma retardada), mas como é um erro comum, vou falar assim mesmo: não acredite em tudo o que lê. Mesmo que quem fala pareça sincero. Pesquise as fontes e vá atrás dos fatos pra não tirar conclusões erradas. É fato, por exemplo, que foi a Igreja Católica que manteve a Ciência "em funcionamento" durante a invasão dos bárbaros, por exemplo. E nem precisa ser muito esperto: é só lembrar das aulas de História e usar a lógica... ;-)

4) se quiser um "resumo da ópera", o livro "Não tenho fé suficiente para ser ateu" explica bem esse contexto.

Ah... E como é bom discutir com gente que pensa...

Anônimo disse...

Blogger Aaddrriiaannoo disse...
"Vi um doc no Youtube que conta a história do diabo. A bíblia destorceu completamente a imagem dele"

Ah, tá... Tinha esquecido que o Youtube é a fonte definitiva da verdade absoluta. Foi mal aê...

É cada um que aparece...

WiLL disse...

Querida Daniela:
Ser cristão não é seguir os (des)ensinamentos da bíblia, mas é seguir o modelo de vida de Jesus, da honestidade, do amor ao próximo. Isso pode-se fazer sem ser cristão, claro... Aí é que entra o lance da crença, de acreditar em uma força maior, superior. Eu creio. Mas não sou alienado, não creio que um Deus bom e misericordioso seja prepotente a ponto de deixar morrer quem nele não crê. Isso seria até contraditório. Mesmo porque existe o livre arbítrio, que nunca é levado em conta nas discussões dos religiosos: para eles, tudo vem da ordem divina, tudo! Mas eu creio na livre manifestação do homem, nas escolhas que ele pode fazer ao longo da vida: você pode crer em Deus e fazer o bem, ou crer e fazer o mal; vc pode não crer e fazer o bem, ou não crer e fazer o mal. Não há desculpa de que a falta de Deus causa tanto mal, porque se apena 1% da população é ateu, qual a porcentagem dos criminosos presos, foragidos, engravatos que temos?
Se a falta de Deus causa tanto mal, por que há alguns padres corruptos que usam de sua posição para abusar sexualmente de crianças e adolescentes?
Se a falta de Deus causa tanto mal, por que a Igreja matou tanta gente em nome de Deus na inquisição? Por que existe tanta guerra sectária no Oriente Médio, em nome desse ou daquele deus? Homens bomba?
Como uma pessoa pode esperar apoio de grupos religiosos, se a própria religião a segrega, a marginaliza? Se vc tem AIDS e é gay, como vai orar pra Deus te abençoar se a igreja diz que é abominável a relação entre homossexuais? Como uma igreja que prega o amor cristão pode dizer que algo é errado? Amar ao próximo como a ti mesmo não se aplica a todos: amar ao próximo como a ti mesmo, desde que vc e o próximo sejam isso, não sejam aquilo. É isso que se apresenta, na verdade... Nesse quesito, a própria igreja parece não respeitar a crença dos indivíduos: creia na santa igreja católica, mas apenas naquilo que nós orientarmos que deve ser motivo de crença... Tenha o amor cristão, mas apenas aquele que siga estes ou aqueles "princípios". A religião cerca, afasta Deus e Cristo daqueles que também tem fé mas não se encaixam em "padrões aceitáveis". Como os cristãos dizem que o aborto é condenável se esses mesmos cristãos pregam a morte de pessoas que vivem nas favelas do Rio de Janeiro, seja por serem pobres ou traficantes. Não são pessoas, semelhantes, filhos de Deus? Não, porque são bandidos... Isso já é motivo pra mandarem jogar uma bomba e "acabar com tudo". Pronto, suspendam os desígnios religiosos, abramos uma exceção e acabemos com as favelas do mesmo modo que os EUA acabaram com o Japão na segunda guerra... Uma boma resolve tudo, inclusive apazigua a alma desses pobres hipócritas cristãos... Porque abortar não pode, é contra a vida, mas matar alguém que se tornou bandido por motivos os mais diversos, principalmente sociais, aí pode, porque bandido bom é bandido morto, como esbravejam, esquecendo-se de que, se fosse um filho, a história seria outra: ele é um moço bom, mas teve umas amizades... ele não é assim...

Eu respeito profundamente quem não tem crença, quem é ateu. Como eu disse, sou cristão, mas não sou religioso.
Acreditar em algo me conforta, assim como não acreditar traz paz ao coração dos ateus.
Bjokas

Aaddrriiaannoo disse...

Pro Anônimo q se queixa de que o YouTube não pode ser uma fonte:

O doc que vi foi feito pela BBC, não tô afim de se saber se o que disseram é real ou não, o fato é que não acredito e nem por isso ataco as pessoas que acreditam.

Recomendo que veja, abra a mente pra novas possibilidades porque a Bíblia também não é uma fonte confiável:

http://www.youtube.com/watch?v=FXFJeKGIhpk

Girassol disse...

É...posts como esse são geralmente polêmicos, contudo o q vale é o aprendizado e o respeito mutuo.
Obrigada por toda manifestação de carinho de vcs! :)
Assim sinto-me amada e isso é tão bom. :)
Quanto ao anônimo com direito de ser anônimo:
1. Obrigada pela dica, mas depois da releitura de Crime e Castigo, lerei " A viagem do elefante" do Saramago. Quem sabem...depois. De qualquer forma, obrigada!
2. Obrigada por todas suas consideraçãoes. Eu refletirei sobre elas.
beijos

Ah! Will...como sempre amei seu coments. Lindo!

Anônimo disse...

"(...) não tô afim de se saber se o que disseram é real ou não, o fato é que não acredito (...)"

Quer dizer que você decide se acredita ou não em algo mesmo sem saber se aquilo é real ou não?

Bacana...

Juliana disse...

pois é dani... todos os ateus já sofreram, ou ainda sofrem diariamente até, preconceitos por seu modo de ver o mundo e por sua recusa em se prostrar graças a uma religião.. e esse preconceito, por vezes velado, por vezes não, é visto até como muito bem aceito pela sociedade.
no meu primeiro emprego, nunca comentei que era atéia, porque trabalhava com católicos e evangélicos e acredito que, se eu tivesse dito que não compartilho nenhuma dessas crenças, talvez a consideração deles por mim teria diminuído, sem nenhum outro motivo. já no meu último trabalho, eu disse que era atéia, quando me foi perguntado, e isso, no meio de vários espíritas, não soou muito bem.. mas tb não me incomodaram muito mais após o susto inicial.
vc sabe q eu pertenço a uma família na qual só dois tipos de gente valem: religiosos (católicos na verdade) e médicos.. eu nãou sou nem um nem outro.. então já viu. isso pesa mais, na verdade, no conceito da minha avó e isso tb já me incomodou muito (essa visão de mundo dela), mas agora não ligo mais. fico só observando as incoerência das pessoas religiosas, via de regra, e me sinto reconfortada por estar um passo além em muitas coisas.
o mesmo serve a vc.
bjao

Anônimo disse...

Il semble que vous soyez un expert dans ce domaine, vos remarques sont tres interessantes, merci.

- Daniel